13

Sugestões e dicas práticas

Para obter um resultado ideal usando aditivos umectantes e dispersantes, devem ser observadas algumas dicas e sugestões quando se utiliza estes produtos.

Incorporar os aditivos

Os aditivos são frequentemente adicionados à tinta durante a fase de finalização. Porém, este procedimento não é adequado para aditivos umectantes e dispersantes. Um vez que estes aditivos são necessários para acelerar a umectação e dispersão do pigmento, devem ser adicionados à base de moagem e ser moídos com esta. Somente assim podem ser totalmente eficazes. Se, em circunstâncias excepcionais (por ex. para corrigir lote), for necessário adicionar os aditivos posteriormente, estes devem ser incorporados usando forças de cisalhamento o mais elevadas possíveis; é preferível correr o sistema novamente pela unidade dispersante. Não obstante, você irá ver na maioria dos casos que os agentes umectantes e dispersantes que foram adicionados desta forma são menos eficazes e requerem doses maiores.

 

Dosagem

Quanto aditivo você precisa adicionar? A dosagem correta é a chave para o efeito. Uma vez que o aditivo é designado para se ligar à superfície do pigmento, a quantidade de aditivo necessária depende do total de área superficial dos pigmentos presentes. Além de algumas exceções, as fórmulas de cálculo que ligam a dosagem de aditivo, por exemplo, a superfície BET dos pigmentos ou o número de óleo, não são particularmente de confiança e devem ser usadas somente para tipos de pigmento específicos. Na prática, você terá tendência a basear a dosagem nas recomendações do fornecedor de aditivo e então desenvolver uma série de testes em laboratório para otimizar a dosagem para as suas necessidades. Você pode usar, por exemplo, valores de brilho e de névoa das tintas e o ∆E do teste de rub-up como critérios de teste.

No caso dos aditivos umectantes e dispersantes clássicos baseados em polímeros de baixo peso molecular, uma dosagem de 0,5-2% de pigmentos inorgânicos e 1-5% para pigmentos orgânicos é a norma (forma de entrega de aditivo com base no peso do pigmento). As dosagens de aditivo típicas para aditivos umectantes e dispersantes poliméricos são 1-10% (pigmentos inorgânicos) e 10-30% (pigmentos orgânicos). No caso de pigmentos de partículas muito finas (por ex. algum negro de fumo), são necessárias maiores dosagens de no máximo 80 ou 100% para fórmulas de qualidade elevada. Uma vez que estes pigmentos só podem ser encontrados em pequenas quantidades na fórmula, a dosagem de aditivo se refere a toda a fórmula, mas ainda não é excessivamente alta. Uma maior dosagem não terá efeito negativo nas propriedades do filme das tintas, uma vez que os aditivos poliméricos possuem uma característica semelhante à das resinas.

Devemos enfatizar novamente que todos os pigmentos devem ser estabilizados numa fórmula de tintas. A estabilização é também essencial para pigmentos alegadamente "simples", como dióxido de titânio; caso contrário, quando misturados com outros pigmentos (bem estabilizados) haverão problemas de flutuação inevitáveis.

Moagem individual/moagem conjunta

Sempre que só um pigmento seja disperso, todos os parâmetros (quantidade de aditivos e condições de moagem) podem ser otimizados. O resultado final é a melhor qualidade de moagem possível. Porém, na prática, uma co-moagem de todos os pigmentos é preferível em vez do processo de moagem simples, mais demorado. São então necessários comprometimentos em relação aos parâmetros de moagem e o resultado nem sempre pode ser comparado com o processo de moagem simples. Pelo menos quando se trabalha numa nova fórmula em laboratório, você deve levar sempre em conta os pigmentos de moagem individual. Assim, você poderá identificar alguns pigmentos "difíceis". O procedimento subsequente deve ser determinado numa base individual, por exemplo, pigmentos problemáticos devem ser substituídos por outros pigmentos, eles podem ser moídos separadamente ou podem até mesmo ser adicionados como concentrados de pigmentos.

Tratamento da superfície do pigmento

Virtualmente, todos os pigmentos padrão de hoje foram fornecidos com pós-tratamentos da superfície de várias naturezas químicas. O fabricante de pigmento aplica estes tratamentos durante a produção dos mesmos. A finalidade do tratamento da superfície é facilitar e melhorar a capacidade de umectação, dispersão e estabilização dos pigmentos. No caso de aditivos umectantes e dispersantes, isto significa que estes não entram em contato com o pigmento real, entram em contato com o tratamento da superfície química no pigmento. Portanto, na prática, se houver resultados de moagem insatisfatórios com um pigmento específico, o mesmo pigmento deve também ser considerado com outros tratamentos da superfície.

Para mais informações em relação às áreas de aplicação e produtos visite o nosso BYK Additive Guide